13 outubro 2018

SUCOS DE FRUTAS PRONTOS SÃO OPÇÕES QUE ALIAM SAÚDE, SABOR E PRATICIDADE

 

Disponível nos melhores estabelecimentos de João Pessoa, Suqo chega ao mercado com seis sabores de bebidas naturais.

 

Além da água pura, os sucos de frutas são excelentes aliados na hora da hidratação diária e ainda ajudam o nosso corpo a assimilar os nutrientes presentes nos alimentos e ainda eliminar toxinas. Os sucos a base de frutas oferecem vitaminas, sais minerais, aminoácidos e enzimas essenciais para mandar a boa saúde do corpo e da mente, além de serem deliciosos alimentos.

Aliando tantos benefícios a um sabor especial, que lembra o caseiro, a Indústria de Alimentos Buon Gelatto lançou o Suqo, bebida feita com frutas selecionadas, que pode ser encontrado nos melhores estabelecimentos de João Pessoa. Disponível em seis sabores – abacaxi, açaí, cajá, graviola, goiaba, maracujá – o Suqo diferencia dos demais do mercado por ser preparado com toda a atenção voltada para a qualidade das frutas utilizadas. “Elas são selecionadas de modo a serem processadas em um tempo ótimo de maturação, por exemplo, conservando suas características no produto final. Outro fator importante é a quantidade de polpa que é adicionada em nossas formulações, visando manter ao máximo as propriedades nutricionais da fruta, como cor, sabor, e aroma, levando saúde, sabor e praticidade aos nossos consumidores”, detalha a doutora em Química e responsável técnica pela Suqo, Luciana Medeiros.

Em um copo de Suqo, podem-se obter várias vitaminas e minerais importantes para o bom funcionamento do organismo, nutrientes que desempenham funções necessárias ao corpo. Veja abaixo as principais características das frutas encontradas no Suqo:

Açaí – E uma fruta rica em proteínas, fibras e lipídios, além de ser planta medicinal com efeito antioxidante, vasodilatador, antiinflamatório, tônico, energético, entre outros. Nela, encontramos as vitaminas C, B1 e B2, e também possui uma boa quantidade de fósforo, ferro e cálcio. O consumo do açaí em suas diversas formas favorece a circulação sanguínea, melhora as funções intestinais, aumenta o nível de bom colesterol bem como diminuí o nível de colesterol ruim e fortalece o sistema imunológico.

Abacaxi – Fruta típica de países tropicais, o abacaxi é rico em vitamina C, B1 e A e em sais minerais e sais minerais, como cálcio, magnésio ferro e fósforo. A parte comestível é a polpa, suculenta e com grande quantidade de água e fibras. O abacaxi facilita a digestão de produtos protéicos como carnes, peixes e aves pela alta porcentagem de celulose. Nos casos de febre, recomenda-se suco de abacaxi por ser refrescante e eliminador de impurezas. É também indicado para enfermidades da garganta e da boca.

Cajá – O cajá é rico em sais minerais, como cálcio, fósforo e ferro, sendo frequente nas várzeas e matas de terra firme e argilosa, podendo ser encontrado o ano todo. A fruta é uma excelente fonte de vitaminas A, B e C. O cajá é eficaz contra infecções, atua na proteção da pele e mucosa, o consumo da fruta ajuda no funcionamento do intestino, fortalece os ossos e auxilia na contração muscular.

Goiaba – O suco da goiaba tem grande valor nutritivo, principalmente pelo seu alto teor de vitamina C. Seu consumo é importante no combate às infecções, hemorragias, fortalecimento dos ossos e dentes, cicatrização de cortes e queimaduras. Possui também vitamina A, boa à vista, conserva a saúde da pele e das mucosas e auxilia no crescimento e, vitamina B1, que ajuda na regularização do sistema nervoso e parelho digestivo, tonificando, ainda, o músculo cardíaco. São encontrados sais minerais como cálcio, fósforo e ferro, que contribuem para a formação dos ossos, dentes e sangue.

Graviola - Esta fruta é mundialmente conhecida seu riquíssimo conteúdo em nutrientes. Cerca de 100 gramas de graviola fornecem, em média, 60 calorias, 25 mg de cálcio, 28 mg de fósforo e 26 mg de vitamina C. Dentre as propriedades terapêuticas da graviola, pode-se destacar o seu potencial diurético, adstringente, vitaminizante, antiinflamatório, anti-reumático, bem como sua propriedade antiespasmódica, antitussígena e anticancerígena. É boa fonte de vitaminas do complexo B, importantes para o metabolismo de proteínas, carboidratos e gorduras, incrementando o cardápio com vitaminas e minerais, bom para a saúde.

Maracujá - O maracujá é uma fruta de alto valor nutritivo. Rico em vitamina C e em vitaminas do Complexo B (B2 e B5), contém também quantidades razoáveis de sais minerais como ferro, cálcio e fósforo. Os poderes sedativos do maracujá são bastante conhecidos, já que ele funciona no organismo como um suave calmante. As sementes do maracujá são também um poderoso vermífugo.

 

 

 

ANEMIA FALCIFORME

 

 

Doença hereditária que causa malformação das hemácias e provoca complicações em praticamente todos os órgãos do corpo, a anemia falciforme tem alta incidência no mundo, especialmente entre as populações afrodescendentes. No Brasil, a prevalência é de uma a cada mil pessoas, em média. Na Bahia, onde o contingente de negros é maior, a doença atinge um em cada 650 indivíduos nascidos vivos.

A doença piora continuamente ao longo do tempo, reduzindo a expectativa de vida do paciente para uma média de 40 anos. O tratamento se torna cada vez mais difícil, uma vez que adultos apresentam lesões crônicas em todos os órgãos, com crises agudas de dor provocadas pela oclusão dos vasos sanguíneos, além de sequelas neurológicas e outras alterações degenerativas graves.

 

Sinais e Sintomas:

Manifesta se de forma diferente em cada indivíduo. Uns têm apenas alguns sintomas leves, outros apresentam um ou mais sinais. Os sintomas geralmente aparecem na segunda metade do primeiro ano de vida da criança.

Anemia falciforme está presente desde que o paciente nasce, porém muitos bebês não mostram qualquer sintoma até quatro meses de idade.

  • Dor abdominal;
  • Dor nos ossos;
  • Falta de ar;
  • Crescimento retardado na puberdade;
  • Fadiga;
  • Febre;
  • Palidez;
  • Taquicardia;
  • Úlceras nas pernas (em adolescentes e adultos);
  • Icterícia;
  • Dor no peito;
  • Sede excessiva;
  • Micção frequente;
  • Ereção prolongada e dolorosa (priapismo – ocorre em 10 a 40% dos homens com a doença);
  • Visão diminuída/cegueira;
  • AVC;
  • Úlceras na pele.

 

Diagnóstico:

  • Hemograma completo;
  • Eletroforese de hemoglobina;
  • Exame de células falciformes;
  • Bilirrubina;
  • Oxigênio no sangue;
  • Tomografia computadorizada ou ressonância magnética;
  • Esfregaço periférico;
  • Creatinina sérica;
  • Hemoglobina sérica;
  • Potássio sérico;
  • Cilindros urinários ou sangue na urina;
  • Contagem de leucócitos.

 

Complicações:

  • Síndrome pulmonar aguda
  • Anemia;
  • Cegueira/defeito visual;
  • Sintomas cerebrais e do sistema nervoso (neurológicos) e AVC;
  • Morte;
  • Doença de vários sistemas do organismo (rins, fígado, pulmões);
  • Abuso de drogas (narcóticos);
  • Disfunção erétil (como resultado de priapismo);
  • Cálculos biliares;
  • Crise hemolítica;
  • Infecção, incluindo pneumonia, inflamação da vesícula biliar (colecistite), infecção dos ossos (osteomielite) e infecção do trato urinário;
  • Destruição das articulações;
  • Úlceras na perna;
  • Perda de função do baço;
  • Infecção por parvovírus B19, provocando uma baixa produção de hemácias (crise aplástica);
  • Síndrome de sequestração esplênica;
  • Necrose do rim.

 

Tratamento:

Os pacientes com anemia falciforme exigem tratamento constante, mesmo que não estejam tendo uma crise. Eles devem tomar suplementos de ácido fólico (essencial para produzir hemácias) porque as hemácias se deformam muito rapidamente.

- A proposta do tratamento é gerenciar e controlar os sintomas, bem como limitar a frequência das crises.

- Transplante de medula óssea: tem provado ser eficaz em crianças;

→ Terapia transfusional: As transfusões de sangue são frequentemente utilizadas no tratamento da doença das células falciformes, em casos mais graves, e para a prevenção de complicações, diminuindo o número de glóbulos vermelhos (RBC), adicionando glóbulos vermelhos normais;

→ Hidroxiureia: A primeira droga aprovada para o tratamento da anemia falciforme e mostrou aumentar o tempo de sobrevivência num estudo.Tudo isto é conseguido, em parte, pela reactivação da hemoglobina fetal que provoca anemia das células falciformes. A hidroxiureia foi utilizada anteriormente como um agente quimioterápico, e existe alguma preocupação de que o uso a longo prazo possa ser prejudicial;

→ Uso de ácido fólico ( essencial para produzir hemácias) porque as hemácias se deformam muito rapidamente );

→ Administração de analgésicos e de muito líquido;

→ Medicamentos não narcóticos podem ser eficazes, mas alguns pacientes precisam de altas doses de narcóticos;

→ Antibióticos e vacinas são usados para prevenir as infecções bacterianas, que são comuns em crianças com anemia falciforme.

 

Tratamentos para as complicações podem incluir:

  • Diálise ou transplante de rim para doença renal;
  • Reabilitação de drogas e acompanhamento de complicações psicológicas;
  • Remoção da vesícula biliar (se tiver cálculos biliares);
  • Substituição do quadril para necrose avascular do quadril;
  • Irrigação ou cirurgia para ereções persistentes e dolorosas (priapismo);
  • Cirurgia para problemas oculares;
  • Curativo, óxido de zinco ou cirurgia para úlceras da perna;

O transplante de medula ou de células tronco pode curar a anemia falciforme. Entretanto, os transplantes envolvem muitos riscos, inclusive infecção, rejeição.

 

12 outubro 2018

TRAUMA FACIAL

Trauma facial trata-se de qualquer ferimento físico localizado na face, podendo afetar, consecutivamente, sua pele, gordura, músculos, nervos e ossos e, nos casos mais graves, se associar a dano cerebral. O trauma facial pode acarretar em perda de sensibilidade na pele, cicatrizes anti-estéticas, retrações, lesões na visão, dificuldade na respiração, paralisia facial e perdas dentárias.

O trauma é um problema mundial de saúde pública. As lesões por trauma intencional ou acidental afetam crianças, adolescentes, adultos jovens e idosos são as principais causas de morte entre pacientes de 1 a 44 anos e a quarta maior causa considerando-se todas as faixas etárias. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), as lesões em cabeça e face podem representar metade das mortes traumáticas.

Considerações anatômicas

O tipo de fratura do esqueleto facial e sua extensão são determinados por fatores anatômicos de forma, tamanho, densidade das estruturas ósseas e suas relações com cavidades ósseas, estruturas musculares e tecido mole que o reveste. Isso vai influenciar no maior ou menor deslocamento dos segmentos fraturados ou proteção da estrutura óssea.

A cabeça é constituída pelos ossos do crânio e ossos da face. O crânio ou neurocrânio, como é chamado, delimita a cavidade craniana, local onde se encontra o encéfalo e as meninges, estruturas do Sistema Nervoso Central (SNC). É constituído pelos ossos:

Frontal, Parietais, Temporais, Esfenoide, Etmoide e Occipital.

O arcabouço facial, viscerocrânio, constitui-se pelos ossos:

Mandíbula, Vômer, Conchas nasais inferiores, Lacrimais, Nasais, Zigomáticos (ou malares), Palatinos, Maxilas e osso hioide.

Ossos da face:

Mandíbula - é um osso ímpar e móvel, articula-se com os temporais através dos côndilos, formando a articulação têmporo-mandibular (ATM). A mandíbula consta de um corpo, em forma de ferradura, que apresenta os alvéolos da arcada dentária inferior, e dois ramos, continuação do corpo numa angulação conhecida como ângulo da mandíbula. O ramo da mandíbula apresenta um côndilo, que se articula com a fossa mandibular do temporal, e um processo coronóide; entre o côndilo e o processo coronóide há uma incisura mandibular.

Vômer - é um pequeno osso situado na face inferior do crânio, onde se articula com o osso esfenoide; possui uma lâmina que, juntamente com a lâmina perpendicular do osso etmoide, concorre para a formação do septo nasal ósseo.

Conchas nasais inferiores - são ossos independentes, laminares, situados na cavidade nasal, podem ser observadas através da abertura piriforme do nariz.

Lacrimais - estão situados na parte anterior da parede medial da órbita, e delimitam a fossa do saco lacrimal, que se continua no canal naso-lacrimal, que se abre no meato inferior da cavidade nasal.

Nasais - os ossos nasais, direito e esquerdo, articulam-se entre si no plano mediano, formam o esqueleto ósseo de parte do dorso do nariz.

Zigomáticos (ou malares) - os ossos zigomáticos, direito e esquerdo, são duas massas ósseas salientes que formam as proeminências da face; através do seu processo temporal do osso zigomático, que se articula com o processo zigomático do osso temporal, forma o arco zigomático; limitam a órbita juntamente com a maxila

Palatinos - direito e esquerdo, são dois pequenos ossos em forma de L, com uma lâmina horizontal e outra, lâmina vertical, localizados atrás das maxilas e anteriormente aos processos pterigóides do osso esfenoide, participam da delimitação das cavidades bucal, nasal e orbitária.

Maxilas - direita e esquerda, ocupam quase toda a face, formando o maxilar. Cada maxila apresenta um corpo, um processo frontal, que se articula com o osso frontal, um processo palatino que, juntamente com a lâmina horizontal do osso palatino, forma o palato duro; processo alveolar, em cujos alvéolos estão implantados os dentes, e um processo zigomático.

Osso hioide - é um osso pequeno, em forma de ferradura, ímpar, e não pertence nem ao crânio nem à face, estando situado na região do pescoço, abaixo da mandíbula e acima da cartilagem tireoide da laringe.

Classificação:

  • Fratura nasal;
  • Fratura alvéolo dentária;
  • Fratura de mandíbula;
  • Terço médio da face;

Fratura naso-orbitoetmoidal - A fratura ocorre quando há o envolvimento da estrutura nasal, da maxila e órbita. São fraturas complexas e necessitam de cirurgia sob anestesia geral para redução e fixação das fraturas. Geralmente, ocorre em trauma de alto impacto e muitas vezes há fraturas e lesões concomitantes em outras partes do corpo.

Fratura do zigoma.

Os danos do tecido mole incluem:

  • Abrasão dentária,
  • Lacerações,
  • Extirpação, contusão e outros.

Em fraturas faciais, os ossos mais acometidos são geralmente os ossos nasais, enquanto que o arco zigomático se encontra em segundo lugar e o osso frontal o mais resistente de todos os outros.

Causas:

A causa mais frequente de fraturas e ferimentos faciais graves ainda é o acidente automobilístico;

  • Ferimentos por arma de fogo;
  • Ferimento por arma branca;
  • Agressões Físicas,
  • Acidentes domésticos (quedas em escadas, jardins, colégio, praça, etc.),
  • Acidentes no trabalho e trauma esportivo.

Recém-nascidos podem sofrer fraturas nasais em seus partos por conta da força na expulsão ou por conta do uso de fórceps.

Os segmentos da população mais afetados são os adolescentes e os adultos jovens.

Sinais e sintomas:

  • As fraturas dos ossos faciais, como em outras fraturas, podem estar relacionadas a dor e inchaço dos tecidos circundantes (tais sintomas podem ocorrer na ausência de fraturas também);
  • Fraturas nasais, na base do crânio ou na maxila podem estar associadas a hemorragias profusas;
  • Deformidades na face, como um osso malar (zigomático) afundado ou dentes que não estão alinhados corretamente, sugerem a presença de fraturas;
  • Assimetrias podem sugerir a fraturas faciais ou danos a determinados nervos do rosto. Sujeitos com fraturas mandibulares possuem, frequentemente, dores e dificuldades em abrir e fechar a boca, e podem ter dormência no lábio e no queixo;
  • Comumente, a pessoa que está com trauma facial sente dor na região frontal, hipoestesia na região do supratroclear, epistaxe e rinoliquorragia, isto é, laceração da dura.

Diagnóstico:

O diagnóstico de fraturas faciais é basicamente clínico, com uma avaliação da história do trauma do paciente, através do mesmo ou por familiares e amigos.

Através de palpação e inspeção procurando sinais de trauma:

  • Assimetria facial,
  • Afundamento da face,
  • Hemorragia subconjuntival,
  • Observar deslocamentos e movimentações ósseas e edemas.

Exames por Imagens:

  • RX;
  • Tomografia computadorizada;
  • Ressonância magnética.

Prevenção:

  • Uso o cinto de segurança;
  • Uso de "airbag";
  • Fazer o uso do capacete,
  • O uso de equipamentos de proteção adequados na pratica esportiva;
  • Obedecer às normas de segurança no trabalho.




O QUE FAZER QUANDO A CRIANÇA ENGASGA

SAIBA O QUE JÁ SE CONHECE SOBRE O NOVO VÍRUS FATAL DE GRIPE

O vírus foi encontrado em um homem que está sendo tratado na Grã-Bretanha.

Uma nova doença respiratória semelhante à SARS - epidemia global que matou centenas de pessoas em 2003 - foi diagnosticada em um homem que está sendo tratado na Grã-Bretanha. Outro caso, na Arábia Saudita, resultou na morte de um paciente.

Confira abaixo perguntas e respostas sobre esse novo vírus.

O que é o novo vírus?

A nova doença é consequência de um tipo de coronavírus - uma família ampla de vírus que inclui desde um resfriado comum à SARS (sigla em inglês para síndrome respiratória grave e aguda).

Até agora, apenas dois casos foram diagnosticados deste novo vírus, e ambas as infecções foram originadas no Oriente Médio.

Um dos casos foi confirmado por um exame de laboratório feito pela Agência de Proteção à Saúde da Grã-Bretanha, em Londres. O paciente está sendo tratado pelas autoridades britânicas de saúde.

O outro foi detectado por um exame de laboratório na Arábia Saudita. Os dados foram enviados a outro laboratório na Holanda, que confirmou se tratar do novo tipo de vírus.

Ainda há poucas informações sobre o novo vírus e o quão letal ele pode ser entre seres humanos.

O que o vírus faz?

Os coronavírus provocam infecções respiratórias em humanos e animais. Os dois contaminados tiveram febre, tosse e dificuldades de respiração. O paciente na Arábia Saudita acabou falecendo, e o britânico está na UTI.

Por ora, ainda não está claro se esse forte efeito é típico deste novo vírus, ou se há muitas pessoas contaminadas e apenas poucas estão tendo uma reação tão drástica.

Como ele se espalha?

Acredita-se que ele se espalhe por fluidos expelidos na tosse ou pelo espirro. Os especialistas acreditam não se tratar de uma doença altamente contagiosa, já que, nos dois casos diagnosticados até agora, as pessoas que trataram os pacientes não adoeceram.

Os coronavírus são bastante frágeis. Fora do corpo humano, eles só sobrevivem por um dia e são facilmente mortos por detergentes e por outros produtos de limpeza.

Como é o tratamento?

Os médicos ainda não sabem qual é o melhor tipo de tratamento, mas as pessoas com sintomas graves precisam de cuidados intensivos que ajudem sobretudo na respiração. Não existe nenhuma vacina.

Em Londres, o paciente está isolado, e todos que o estão atendendo usam máscaras e equipamentos de proteção.

Como se originou o vírus?

Os especialistas ainda não sabem a sua origem. Eles especulam que possa se tratar de uma nova mutação de um vírus já existente. Ou talvez seja uma infecção que já circula entre animais e que agora passou para os seres humanos.

Existe algum tipo de recomendação às pessoas que viajam?

Por enquanto, a Organização Mundial da Saúde descartou qualquer tipo de restrição a viagens ao Oriente Médio, onde ambos os casos surgiram. Mas esta decisão está sendo constantemente reavaliada.